SINDSERV - BEBERIBE

SINDSERV - BEBERIBE
SERVIDOR PÚBLICO DEVE SER PRIORIDADE!!!

quarta-feira, 6 de maio de 2015

CONVOCAÇÃO PARA REUNIÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DO SINDSERV-BEBERIBE - MAIO 2015



CONVOCAÇÃO


O Sindserv-Beberibe, como entidade sindical filiada a diversas entidades em níveis estadual, federal e internacional, que trabalha em prol dos servidores públicos municipais de Beberibe, e que luta por um serviço público de qualidade, vem mui respeitosamente, CONVOCAR os membros da diretoria executiva para reunião ordinária de 2015 com a seguinte pauta: Deliberações acerca da Assembleia do dia 1º de Maio, Apresentação da Planilha de Contas do Sindserv referente a Março e Abril, Cumprimento do calendário estatutário, informes e organização das atividades sindicais acerca das atividades sindicais no âmbito estadual e federal referente ao mês de Maio. Esta reunião acontecerá na Segunda-feira, dia 11 de Maio de 2015 às 8:30 hs na SEDE do Sindserv-Beberibe. Na oportunidade, pedimos que apresentem este documento de convocação aos seus diretores, coordenadores e responsáveis legais para organizarem os respectivos horários de trabalho visando a liberação dos membros da diretoria executiva e conselho fiscal desta entidade de classe.

Certo da presença de todos, estimamos votos de apreço e consideração.


Atenciosamente,


Beberibe, 06 de Maio de 2015.



Franciedson Oliveira da Cunha

Presidente

OFÍCIO PARA A PREFEITA SOLICITANDO REUNIÃO URGENTE!!! O SEGUNDO EM MENOS DE 30 DIAS, O PRIMEIRO NÃO FOI RESPONDIDO!!!


segunda-feira, 4 de maio de 2015

DIRETORIA SINDSERV-BEBERIBE TRIÊNIO 201520162017


MEMBROS EFETIVOS – DIREÇÃO
NOME
CARGO
CARGO NO MUNICIPIO
FRANCIEDSON OLIVEIRA DA CUNHA
Presidente
PROFESSOR
MARIA LUCILENE DA COSTA BENTO
Vice-Presidente
PROFESSORA
GLEISON DE LIMA GERMANO
Secretario (a) Geral
AUXILIAR DE ADMINISTRAÇÃO
JOSE NERES DOS SANTOS
Diretor (a) Financeiro
SECRETÁRIO ESCOLAR
VALDECI ANTUNES DOS REIS
Diretor (a) de Formação e Políticas Sociais
PROFESSOR
MARIA DE FÁTIMA COSTA RIBEIRO
Diretor (a) de Imprensa e Comunicação
AGENTE COMUNITÁRIA DE SAUDE
MARIA VALDENIA FERNANDES GAMA
Diretor (a) de Assuntos Jurídicos e Direitos Humanos
APOSENTADA
EDNALDO HONORATO MAIA
Diretor (a) de Políticas Sindicais
PROFESSOR
ANACISA DE ALMEIDA GAMA
Diretor de Saúde do Trabalhador e Previdência social
PROFESSORA
FRANCISCA MARIA DA SILVA ALVES
Diretor de Políticas de Gênero
AGENTE COMUNITÁRIA DE SAUDE
JOSÉ CARLOS BATISTA DA SILVA
Diretor de Juventude
AUXILIAR DE SERVIÇOS GERAIS

MEMBROS SUPLENTES – DIREÇÃO
NOME
CARGO
CARGO NO MUNICIPIO
FRANCIEZIO LEONILIO DA SILVA
Secretario (a) Geral
PROFESSOR
FCA. DANIELE DE FREITAS GONDIM
Diretor (a) Financeiro
PROFESSORA
ANELI FERREIRA DE LIMA
Diretor (a) de Formação e Políticas Sociais
PROFESSORA
VALMI NEPOMUCENO DE MELO
Diretor (a) de Imprensa e Comunicação
PROFESSOR
JANAINA LIMA DE SOUSA SILVA

Diretor (a) de Assuntos Jurídicos e Direitos Humanos
PROFESSORA
IRAMILTON DA SILVA FERREIRA
Diretor (a) de Políticas Sindicais
VIGIA
SANDRA MARIA PINTO MONTEIRO E SILVA
Diretor de Saúde do Trabalhador e Previdência social
PROFESSORA
JOSE WELLINGTON SILVA DE OLIVEIRA
Diretor de Juventude
PROFESSOR

CONSELHO FISCAL
NOME
CARGO CHAPA
CARGO NO MUNICIPIO
JOSÉ CARNEIRO DA SILVA
CONSELHO FISCAL
PROFESSOR
FRANCISCO GERVARSON NUNES DE LIMA
CONSELHO FISCAL
MOTORISTA
MARIA DA CONCEICAO SILVA DE OLIVEIRA
CONSELHO FISCAL
PROFESSORA

CONSELHO FISCAL – SUPLENTES
NOME
CARGO CHAPA
CARGO NO MUNICIPIO
WALDIR DE PAIVA CIPRIANO
SUPLENTE
AUXILIAR
ADMINISTRATIVO
RAIMUNDA LUCIA MONTEIRO
SUPLENTE
SECRETÁRIA ESCOLAR
JOSE JOAQUIM DE SOUSA
SUPLENTE
PROFESSOR


Professores no Brasil estão entre mais mal pagos em ranking internacional

O Brasil é o lanterninha em um ranking internacional que compara a eficiência dos sistemas educacionais de vários países, levando em conta parâmetros como os salários dos professores, as condições de trabalho na escola e o desempenho escolar dos alunos.
O ranking é de setembro do ano passado, mas volta à tona no momento em que o governo paranaense aprova uma redução nos benefícios previdenciários dos professores do Estado.
A votação da lei elevou as tensões e levou a um tumulto no qual pelo menos 170 pessoas ficaram feridas após a repressão policial de um protesto de professores em Curitiba. Os professores paranaenses estão em greve desde sábado (25 de abril).
Em São Paulo, professores da rede estadual estão em greve desde 13 de março, reivindicando reajuste salarial e melhores condições de trabalho.
O estudo internacional foi elaborado pela consultoria Gems Education Solutions usando dados dos mais de 30 países da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) e alguns emergentes, como o Brasil.
Nele, o país aparece como um dos últimos em termos de salário pago aos professores, por exemplo.
O valor que os educadores brasileiros recebem (US$ 14,8 mil por ano, calculado por uma média de 15 anos e usando o critério de paridade de poder de compra) fica imediatamente abaixo do valor pago na Turquia e no Chile, e acima apenas de Hungria e Indonésia.
Os salários mais altos são na Suíça (US$ 68,8 mil) e na Holanda (US$ 57,8 mil).
Os professores brasileiros também são responsáveis por mais estudantes na sala de aula: 32 alunos, em média, para cada orientador, comparado com 27 no segundo lugar, o Chile, e menos de 8 em Portugal.
Combinando fatores como estes com o desempenho dos alunos – entre os piores entre os países pesquisados – a consultoria coloca o sistema educacional brasileiro como o mais ineficiente da lista.
"Nossas conclusões sugerem que o Brasil deveria cuidar do salário dos professores para alcançar o objetivo da eficiência educacional", diz o relatório.
Para a consultoria, a meta seria um salário quase três vezes maior que o atual.

Deficiências no gasto

Os dados mais recentes da OCDE mostram as debilidades no gasto educacional brasileiro.
Segundo a organização, o gasto do governo brasileiro com educação cresceu rapidamente desde o ano 2000, atingindo 19% do seu orçamento em 2011 – a média da OCDE foi de 13%.
O gasto público com educação chegou a 6,1% do PIB brasileiro, acima da média da OCDE de 5,6%, e à frente da proporção de outros latino-americanos como Chile (4,5%) e México (5,2%).
Porém, o gasto do Brasil com a educação pública foi o segundo menor de todos os países da OCDE e parceiros – US 3.066, contra uma média de US$ 9.487. O país ficou em 34º no ranking de 35 países da organização.

NÃO HAVERÁ EXPEDIENTE NESTA SEGUNDA-FEIRA DIA 04 DE MAIO NA SEDE DO SINDSERV-BEBERIBE, EM VIRTUDE DE TERMOS TRABALHADO NA SEXTA-FEIRA DIA 1º DE MAIO!